Luís Cardoso | à volta da ilha


<!– /* Font Definitions */ @font-face {font-family:Arial; panose-1:2 11 6 4 2 2 2 2 2 4; mso-font-charset:0; mso-generic-font-family:auto; mso-font-pitch:variable; mso-font-signature:10887 -2147483648 8 0 511 0;} @font-face {font-family:"MS 明朝"; mso-font-charset:78; mso-generic-font-family:auto; mso-font-pitch:variable; mso-font-signature:-536870145 1791491579 18 0 131231 0;} @font-face {font-family:"Cambria Math"; panose-1:2 4 5 3 5 4 6 3 2 4; mso-font-charset:0; mso-generic-font-family:auto; mso-font-pitch:variable; mso-font-signature:-536870145 1107305727 0 0 415 0;} @font-face {font-family:Cambria; panose-1:2 4 5 3 5 4 6 3 2 4; mso-font-charset:0; mso-generic-font-family:auto; mso-font-pitch:variable; mso-font-signature:-1610611985 1073741899 0 0 159 0;} /* Style Definitions */ p.MsoNormal, li.MsoNormal, div.MsoNormal {mso-style-unhide:no; mso-style-qformat:yes; mso-style-parent:""; margin:0cm; margin-bottom:.0001pt; mso-pagination:widow-orphan; font-size:12.0pt; font-family:Cambria; mso-ascii-font-family:Cambria; mso-ascii-theme-font:minor-latin; mso-fareast-font-family:"MS 明朝"; mso-fareast-theme-font:minor-fareast; mso-hansi-font-family:Cambria; mso-hansi-theme-font:minor-latin; mso-bidi-font-family:"Times New Roman";} .MsoChpDefault {mso-style-type:export-only; mso-default-props:yes; font-family:Cambria; mso-ascii-font-family:Cambria; mso-ascii-theme-font:minor-latin; mso-fareast-font-family:"MS 明朝"; mso-fareast-theme-font:minor-fareast; mso-hansi-font-family:Cambria; mso-hansi-theme-font:minor-latin;} .MsoPapDefault {mso-style-type:export-only;} @page WordSection1 {size:595.0pt 842.0pt; margin:72.0pt 90.0pt 72.0pt 90.0pt; mso-header-margin:35.4pt; mso-footer-margin:35.4pt; mso-paper-source:0;} div.WordSection1 {page:WordSection1;}


Luís Cardoso, nascido em Timor-Leste, onde existe enorme variedade etnolinguística, escreve em português por causa de… uma carcaça. A história é tão curiosa como a escolha que o autor fez de uma sandália para narrar o seu quinto romance, O ano em que Pigafetta completou a circum-navegação. Luís fez a escola primária numa pequena ilha com uma única padaria, gerida por um desterrado político português. Como os pais tinham pouco dinheiro e ele era colega do filho do padeiro, sempre que havia redações, escrevia-as em duas versões: uma, em tétum, a língua corrente, e outra, em português, para o miúdo, que, em troca, lhe dava uma carcaça barrada com manteiga.

Radicado em Portugal desde 1974, Luís Cardoso é a voz literária da autenticidade de uma cultura híbrida, durante 500 anos impregnada pela influência portuguesa, mas onde resistiu a riqueza de expressões e crenças locais e ancestrais. A «circum-navegação [do autor] pela memória viva da ilha e de si» iniciou-se nos quatros romances anteriores e completa-se no novo livro, um caso sério de imaginação de um contador de histórias na melhor tradição timorense e de realismo mágico. Narrado durante a ocupação indonésia pela sandália do pé esquerdo de Carolina, filha de um integracionista, o romance segue Catarina, a «nona de Batávia», protagonista de Requiem para o navegador solitário (2007), e o seu filho perdido, Raio de Luz. A ação extravasa o tempo e o espaço de Manumera, através dos relatos, lembranças e segredos da família de Carolina. Pigafetta é um sacristão homossexual, albino e de língua cortada, amante de Sakunar, colaborador dos indonésios que vive com a tia Isadora, a bailarina de Bidau. Pigafetta acredita descender do cronista italiano homónimo, companheiro de Fernão de Magalhães na primeira viagem de circum-navegação, em 1519. Aqui, «as pessoas são de presságios e de espíritos», e o livro é, ele próprio, um universo caleidoscópico, com percursos curvilíneos, onde «a crueza é bela e é verdade».

O Ano em que Pigafetta Completou a Circum-navegação, Luís Cardoso, Sextante, 256 págs., 15.50 euros

SOL/ 18-01-2013 © Filipa Melo (interdita reprodução integral sem autorização prévia)

#Literaturaportuguesa #Timor

0 visualização
FM_2_%C3%82%C2%A9_Joa%C3%8C%C2%83o_Franc

Contato

Skype name: melofili

  • Facebook
Stacks%2520Of%2520Paper_edited_edited.jp

©2020  Filipa Melo | Escrita de Ficção